quarta-feira, 2 de abril de 2014

Cecília Meireles e Fernando Pessoa
Vitral . Foto Fernanda Correia Dias

Poucos sabem que o marido de Cecília Meireles, o designer Fernando Correia Dias criou a capa da revista A ÁGUIA em 1912. Revista de literatura  longeva que exibiu por mais de 50 anos a assinatura de Correia Dias na capa. Raro e espantoso.
Nesta Revista Fernando Pessoa estréia como escritor, mas não no primeiro número...Só depois que ele encontrou Fernando Correia Dias.Ou seja no segundo ou terceiro numero.
Pessoa anota o dia, mês e ano que encontrou Correia Dias, em sua agenda, tal importância que teve para si mesmo o encontro.

Em 1934 Fernando Pessoa publica Mensagem.
Em 1934 Cecília Meireles está em Portugal fazendo diversas palestras com muita audiência e êxito, levando sua poesia, assuntos de educação,  a poesia dos novos poetas brasileiros, acompanhada do designer Correia Dias, seu marido e pai de suas três filhas que estão no Brasil. Todos os jornais divulgam as notícias das palestras com as fotos de Cecília, do casal, os desenhos que Correia Dias faz da esposa palestrante e ambos marcam encontro com o amigo Fernando Pessoa num café.  Na impossibilidade de comparecer Fernando Pessoa envia um exemplar de Mensagem e um bilhete.
No ano seguinte, em 1935, falecem Fernando Correia Dias em 19 de novembro e Fernando Pessoa em 30 de novembro.

Em 1938 Cecília ganha o primeiro prêmio de poesia da Academia Brasileira de Letras com o livro Viagem. Mas este não é seu primeiro livro nem o último. Antecedem a este premio, os livros Espectros, Criança meu amor, Baladas para El Rei, O Espírito Vitorioso, Festa das Letras e seguem as publicações de Mar Absoluto, Problemas da Literatura Infantil, Doze noturnos da Holanda, Poemas escritos na Índia, Pequeno oratório de Santa Clara, Giroflê, Giroflá, Romance de Santa Cecília, Pistoia, cemitério militar brasileiro, Romanceiro da Inconfidência, Ou isto ou aquilo, Solombra, Cânticos, etc...

Por volta dos anos 70, quando morei na casa da minha avó Cecília Meireles encontrei na biblioteca o livro Mensagem amarrado com barbante de algodão e o bilhete. Parecia intocado. Constavam as originais páginas dobradas, precisando de espátulas. Abri e li o livro Mensagem. Tornei a amarra-lo com o barbante e encaixar o bilhete. Foi o primeiro livro de Fernando Pessoa que eu li na minha vida. Comentei com minha mãe e minha tia e ela, minha mãe me deu para ler Viagem e Mar Absoluto, escrito pela mãe delas, minha Avó Cecília Meireles.
Ali encontrei o impacto e o estrondo de Viagem e de Mar Absoluto. Uma Cecília Meireles imensa passou a morar em mim. Até meus treze anos eu tinha a Cecília Meireles Avó materna, madrinha do meu batismo, que escreveu A bailarina e Ou isto ou aquilo para mim, mas depois dos treze anos a Cecília Meireles imensa que me despertou a inteligencia literária por sua obra e por todo o ser humano.

Em 1944, é Cecília Meireles quem apresenta  Fernando Pessoa aos brasileiros e ao Brasil.
Cecília escreve o prefácio, comentários e mini bio-bibliografias, seleciona poetas e poesias e publica no livro intitulado: Poetas Novos de Portugal 

Gosto de lembrar que ela fez isso. E fez mais porque trouxe ainda no mesmo livro, Adolfo Casais Monteiro, Afonso Duarte, Alberto de Serpa, Algredo Guisado, Angelo de Lima, Antonio Botto, Antonio de Navarro, Antonio Pedro, Antonio de Sousa, Augusto dos Santos Abranches, Branquinho da Fonseca, Camilo Pessanha, Carlos Queiroz, Cortes Rodrigues, Fernanda de Castro, Fernando Namora, Francisco Bugalho, João Campos, João de Castro Osório, João José Cochofel, João Falco, José Régio, Luis de Montalvor, Manuel da Fonseca, Mario de Sá Carneiro, Mário Dionísio, Miguel Torga, Natercia Freire, Pedro Homem de Mello, Ruy Cinatti, Saul Dias, Tomaz Kim e Vitorino Nemésio.

Fernanda Correia Dias
in Geografia Familiar





3 comentários:

  1. Ah, que lindo! Tão bom saber suas memórias! Devia reuni-las em livro. <3

    Eu tenho o 'Poetas novos de Portugal', edições Dois Mundos, 1944. Comprei na estante virtual, há cerca de dois anos. Não deve ter sido muito bem conservado (ou o papel não era muito bom), pois toda vez que o manuseio, sou aspergida/abençoada com pedacinhos de papel... :)

    Saiu um artigo meu sobre a tradução que fiz para o inglês do Colar de Carolina. Era pra ter saído agora, no começo de abril, pois eu o apresentei em um congresso em dezembro [veja aqui: https://sites.google.com/site/xviminienapol/programacao ], mas a organizadora do volume achou por bem colocá-lo no primeiro volume de 2013 (eles estavam atrasados no lançamento), então ficou parecendo que ele foi escrito há um tempão, mas eu só o escrevi em novembro, perto do aniversário da Cecília. Se quiser lê-lo, está aqui:
    http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/actas/article/view/18231

    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Telma!
    Até 1944 Fernando Pessoa era um autor desconhecido dos brasileiros.É Cecília Meireles que apresenta o poeta português Fernando Pessoa e a obra, ao Brasil.
    E aqui cabe lembrar que Cecília Meireles nasceu no Rio de Janeiro, é brasileira e que Drummond publicou que ela é uma Deusa; Manuel publicou que ela é exata e Quintana publicou: O mundo não estará perdido enquanto lembrarmos do seu nome Cecília.
    É o que eu, como você, fazemos. Lembra-la sempre.
    Está espetacular o artigo dedilhado pianíssimo e em transparências musicais de nascimentos de cristais. Amei. Quero mais! Beijo! Fernandinha/Fernanda Correia Dias



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou do artigo, Fernandinha. Estou elaborando mais. Traduzir Cecília é estar sempre ao lado dela, vê-la no céu, lê-la no mar. Cecília do azul profundo. Não a esquecerei jamais. Beijo

      Excluir