domingo, 13 de janeiro de 2013

Ou isto ou aquilo Cecília Meireles Ilustração Fernanda Correia Dias. 1987
Comemorando 25 anos!
Ou isto ou aquilo . Cecília Meireles. Ilustrações Fernanda Correia Dias . 1987

Reuni tudo o que eu sentia de mais autêntico para criar o objeto que seria o livro.
Transformei a folha em branco numa bandeja. Fui organizando. Decidi oferecer ao futuro leitor, ao lado da excelência do texto, os valores que recebi pessoalmente de minha Avó materna  e Madrinha de batismo Cecília Meireles. 

Livro é porta, janela, casa, lugar para morar e ainda lindas paisagens coloridas, horizontais e infinitas, como aquelas que minha Avó Cecília ia desdobrando para eu ver o mar, o céu e aprender a identificar cada nome, até aquelas que ela levantava uma pequena folha de papel e eu via muitas formiguinhas reunidas e contávamos uma por uma...ou aqueles que recortávamos bandeiras ou pintávamos os trajes típicos de cada país com lápis de cor. Ou aqueles  em que aprendi a cantar canções, os que ouvia histórias que ela ia lendo... E me lembrando de nossas brincadeiras de eco...Neta/poeta, concordas/sem cordas... Menina/bailarina... Calçando a luva sobre o anel que não podia tirar do dedo porque era jóia... 
Então, fiz do papel uma bandeja-livro para a ascese do aroma de ouro dos sentidos e para a delícia saborosa do texto quando atinge a dimensão de estar sendo compreendido. Tal como era e é para mim, dentro da minha própria cabecinha. 
Aquele terceiro e quarto raciocínio que não era a voz, o baton, o olhar, a essência do corpo, o hálito, a entonação, nem o que ela lia, mas a revolução que aquilo fazia em mim, no que eu entendia se acomodando dentro de mim, do que eu já trazia em mim para perto dela, na minha cabecinha, dialogando internamente e em diversos estados emocionais, tais como ebulição, alegria, gargalhada, ternura, curiosidade ou sobrancelhas contraídas ou surpresas sinalizando interrogações e exclamações.. 
Fiz uma bandeja tal como a minha avó parecia ter nas mãos quando saboreávamos juntas, os lindos textos dos livros de sua biblioteca. Uma bandeja com frente, recheio e costas: Na frente- a capa- desenhei a borboleta em seu esplendor e simultaneamente a própria borboleta em estado de lagarta... antes da metamorfose...sendo observada por ela mesma, entre as letras do título:Ou isto ou Aquilo. Na quarta capa, a Lagarta sorrindo... sozinha...confiante, provocando o observador, sendo aquilo antes de ser isto-capa. Lembrando-me que ninguém passa incólume por uma experiência.Toda experiência é modificadora.Dá musculatura nas asas. Não?
E nunca mais  é possível ler o mesmo livro da mesma forma... Mesmo quando crescemos ao lado do livro, vamos observando a pessoa que éramos, o entendimento que tínhamos e as novidades do "agora"....E percebemos ao mesmo instante, como mudamos ou o que nos mudou e o que ainda está nos modificando ali no livro, ainda mais...!.
No miolo, -recheio da bandeja- ou seja,  as cento e sessenta e cinco páginas policromadas foram tratadas por mim, como a metamorfose, a transformação, um lindo arco-íris, uma escala de cores... passando até pelo piano preto, onde vi e ouvi muitas crianças lendo e solfejando a partitura e tocando a cançãozinha...ou cantando com os pais e avós pianistas...E isso é mais explícito, quando no cantinho de cada  página do livro fiz um cineminha que só é percebido por crianças (minha mãe percebeu, claro!), nunca por adultos
Cinética: fiz um pontinho/ovo passar por larva/lagarta, pupa e borboleta...!
Para estruturar o miolo, relacionei todos os poemas que naquela ocasião (1982) encontrei em edições anteriores e distribuí de forma a sonhar... isto... aquilo.... Um exemplo? Bolas/Bolhas; Dulce/Menina trombuda, etc... e tratei as ilustrações de longos poemas com a mesma premissa: isto... aquilo..E o pensamento de quem lê, ouve, vê...Fixei instantes em meia-páginas ilustradas que transformavam as páginas anteriores e posteriores...a vida passando dentro do livro...
Porque relacionei todos os poemas que encontrei nas edições anteriores e porque elas não traziam os mesmos poemas em todas elas, ao inseri-los, ampliei a quantidade de poemas. Sempre pensando no princípio de oferecer o ótimo.
Na guarda, e na folha de rosto, um retrato da família a cores e outro parecido, em preto-branco. Um jogo de sete erros. Porque olhar para dois retratos é procurar reconhecer, o que, quem, quando...E o “instante” está permanentemente no livro. Nos dois retratos que são amorosamente  impossíveis, porque Incluí simultaneamente: avó-linda entre suas três filhas e a mesma avó-viúva presente.A mesma pessoa no mesmo retrato... Trisavó-bisavó... que soube que resmungava nhem-nhem-nhem ao lado de bisnetos e tri-netos que não conheceram... Avô-pai e Avô-padrasto... netos em idades próximas as idades das próprias mães...  e um cachorrinho coxo... O retrato impossível é imediatamente compreendido pelas crianças sensíveis que descobrem os “erros” que eu cometi propositadamente para diverti-las. E ficam ali horas observando e aprendendo a identificar bailarina, menino... vovó, vovô...moça... viúva... guarda-chuva e vão balbuciando um texto...
Então, na outra página fiz um autorretrato ao lado da ficha bibliográfica e na seguinte fixo a borboleta como sólida escultura e minha Avó Cecília aparece para escrever seu próprio nome: Cecília Meireles. Transformando o efêmero em permanente, tal como ela fez quando escreveu sobre a Elegia à pequena borboleta...
... Era ela que insistia que à criança só devemos dar o ótimo.
Fiz uma bandeja. Dei o meu ótimo. Para finalizar o recheio da bandeja, lembrei-me de uma brincadeira que ela fazia comigo: Concordas ou sem cordas?
Então criei um banco de palavras para o leitor ampliar o vocabulário.
Você sabe o que é giesta? Quer saber imediatamente? Vá buscar o dicionário...
Sentiu que faz diferença esperar para saber? Agora sinta: Giesta é um arbusto com flor amarela... E as crianças olhavam para mim e para dentro de si mesmas, me olhavam e sorriam!...Deve ser o que você está fazendo agora. Ampliando sua curiosidade e vocabulário não é? Então, releia o poema...ou leia o Banco de palavras ou isto ou aquilo para encontrar vela ou vela... de barco ou de pavio?... 
Dei o meu ótimo. Três anos ilustrando. Entreguei os originais na editora todos de uma única vez. O editor recebeu perceptivelmente fascinado. Uma honra para mim, atender ao pedido de minha mãe Maria Mathilde de fazer o meu trabalho sem a interferência de editores.
Dias antes da impressão fui chamada para uma reunião de livreiros e outros e ouvi as criticas de  L.S. que na ocasião criava polemicas sobre "tesourinhas". Não aceitei a polemica e mantive as "tesourinhas" que abriam janelinhas...libertavam figurinhas para albinho do poema Figurinhas, para o quebra-cabeça.
Uma ilustração foi subtraída da edição. A bailarina não dança como dançava...e Laura fugiu nua numa borboleta azul! Quando impresso, minhas duas tias maravilhadas me parabenizaram muito felizes.   
Quem tem a edição de 1987 não empresta, deixa para neto, sobrinho, filho, em testamento. Recebi Menção Honrosa da Camara Brasileira do Livro pelas ilustrações, mas o maior premio me deu minha mãe que combinou comigo de não revelar para as minhas filhas antes que elas soubessem ler, que eu era aquela... 
(Mesmo quando eu observava minhas filhas escolherem para companhia este livro entre filmes, brinquedos e centenas de livros!) Quando questionadas: por quê? respondiam: Eu adoro este livro! E não sabiam que eu a minha Avó Cecília éramos autoras.Levaram para a aula de biblioteca diversas vezes . Só quando aprenderam a ler me perguntaram se eu era aquela mesma Fernanda... Por quê? porque leram o nome da Bisavó e nome de Fernanda na capa do livro... Era eu?
 E diante do sim me disseram: Me ensina a fazer livro como você faz? Mas vocês sabem fazer livro... Mas eu quero fazer como você faz..(impresso) .E fizeram.E fazem. 


Fernanda Correia Dias
in O livro do livro ou como ilustrei Ou isto ou aquilo. Cecília Meireles. 1987.



4 comentários:

  1. demais de lindo...

    •*¨*•♫♪♪♫•*¨*•.¸¸❤

    ResponderExcluir
  2. Telma!
    Obrigada!
    Escrevi para comemorar 25 anos, mas Gigantes e Gigantas Cecílianos, que realmente conhecem todas as edições de Ou isto ou aquilo/Cecília Meireles gostaram muito, concluindo que será de grande valor para o juízo dos orientadores/mestres de futuros doutorados.Amém. Beijinhos e saudades da Fernandinha

    ResponderExcluir
  3. Ai, ai.... hoje resolvi fazer uma busca deste título por imagens, pois queria ver essa edição, essa capa amarela... meu primeiro livro. Chorei.
    Estou aqui com lágrimas de saudade, vontade de voltar no tempo. Obrigada, Fernanda, você não imagina o quanto essas imagens, emoldurando as lindas palavras de Cecília, estão marcadas na minha memória. E o quanto agora essas lembranças me são confortantes.

    Parabéns e obrigada! que delícia poder dizer isso a você...

    Ah, como eu queria encontrar essa edição para ter de volta! Já busquei em dezenas de sebos, mas até hoje nada... Alguma dica?! É um sonho que quero realizar.

    Abraços,
    Hellen.

    ResponderExcluir
  4. Hellen,
    Com muita alegria ofereceria a você uma edição se tivesse...Faz tempo que aguardo notícias desta edição em livros lidos disponíveis para a compra.
    Tudo o que sei é que avôs e avós deixaram em testamentos para netos!
    Ah... Venha sempre!
    Abraços da Fernanda/ilustradora e das ilustrações na Hellen pequenina com certeza!

    ResponderExcluir